Rocky

Rocky

Título: Rocky
Ano: 1976
Realização: John G. Avildsen
Interpretes: Sylvester Stallone, Talia Shire, Burt Young…
Sinopse: Um boxer de pequena categoria recebe a oportunidade única de lutar contra o legendário campeão de peso pesado. Uma luta para conseguir o respeito próprio que sempre precisou.

De zé-ninguém a herói

Rocky foi o primeiro filme sobre o boxe que deixou a indústria cinematográfica americana nas bocas do mundo. Um filme totalmente escrito por Sylvester Stallone, e também protagonista, explica a história de Rocky Balboa, um zé-ninguém com 30 anos, já um pouco acabado para a carreira do boxe profissional, mas que se torna num ídolo quando lhe dão uma oportunidade. O filme aborda a diferença do músculo e cérebro. Rocky pode não ser um boxeur muito experiente, mas utiliza a sua força no trabalho como colector de dívidas. Já Adrian, a mulher por quem se apaixona, é descrita como inteligente e dedicada. Até numa conversa entre ambos, Rocky afirmou que o pai o incentivou a usar a força desde miúdo, pois não gostava da escola. Daí que começou no boxe. Já a Adrian os pais diziam que devia dedicar-se à escola, porque não era muito bonita.

A vida pacata de Rocky muda e a sua sorte volta a aparecer quando é escolhido por Apollo Creed o campeão de pesos pesados para um confronto com ele e pode vencer o título. Rocky escolhido por ser uma presa fácil, vai esforçar-se ao máximo, como nunca o vez na vida e treinar para conseguir chegar ao final do combate. A mensagem de sátira destacada deste filme é que Apollo Creed é o típico americano. Arrogância, ego alto e forte tentação publicitária. Decide lutar contra Rocky com descendência italiana (baseada nas próprias origens de Stallone) e pretende humilha-lo só por parecer mais inexperiente.

O que torna este filme um fantástico must-see cinematográfico é a sua simplicidade. O drama inerente à situação e logo o público sente uma aproximação pelo protagonista que antes de Adrian sentia-se solitário e quase sem sonhos. Aliás o beijo entre os dois, foi dos mais bonitos apresentado no cinema. Tímido, inocente, mas muito fugaz. Neste filme sentimos o aconchego humano e até ficamos nervosos antes do combate, mesmo quando as dúvidas de Rocky sobre tudo começam a aparecer. Não cansa, e o argumento bem escrito propõe um excelente serão de cinema. Somos convidados a conhecer uma das melhores personagens do cinema do desporto. Um filme fantástico. O blogue atribui 5 estrelas em 5.

golden_star2 golden_star2golden_star2golden_star2golden_star2

Anúncios

Crítica: Creed

Nunca vi nenhum filme do “Rocky”. A saga do pugilista começou em 1976 com o filme de sucesso liderado por Sylvester Stallone e só terminou em 2006 com “Rocky Balboa”, entretanto ainda conta com mais quatro filmes no meio. Mais do que uma sequela de “Rocky”, “Creed” é uma renovação. Apela à nova geração. Já vimos isso recentemente com o lançamento do último filme de “Star Wars” em que o antigo elenco se junta a novas personagens e a uma nova história. Este filme funciona da mesma forma e correu tão bem, que tive vontade de ver os seus antecessores.

No epicentro da história temos o jovem Adonis Johnson (Michael B. Jordan), filho do famoso campeão de boxe Apollo Creed, que morreu num combate em Rocky IV (1985). Sempre sonhou seguir as pegadas do pai no mundo dos pesos pesados, e por isso decide procurar um mentor. Rocky Balboa, agora aposentado e amigo de Apollo parece a escolha mais acertada. Convence-lo a voltar aquela vida, não foi fácil. Adonis e Rocky vão ajudar-se mutuamente para evitar a derrota e conseguir a vitória. As jornadas pessoais de cada um e os desafios da vida vão ser colocados à prova nesta filme. “Creed” não é só do género de drama, é a nostalgia dos filmes anteriores. Voltar a ver Stallone no papel que lhe deu fama no cinema, é o toque final épico. [LER MAIS]

CP_creed_destaque