The Truman Show – A Vida em Directo

Título: The Truman Show
Ano: 1998
Realização: Peter Weir
Interpretes: Jim Carrey, Ed Harris, Laura Linney…
Sinopse: Um vendedor de seguros descobre que toda a sua vida sempre foi um programa de televisão.

The Truman Show já era um filme em standby há muito tempo na minha lista. A inspiração para o famoso reality show Big Brother, era uma curiosidade minha. Truman Burbank (Jim Carrey) é um homem tipicamente normal. Vive numa pequena cidade, é vendedor de seguros, excelente amigo e bom marido. Passa o seu dia a dia entre o trabalho e casa. O que o difere dos outros é que a sua vida é um programa de televisão, desde o momento em que nasceu, e toda a gente o conhece. Só que disso, ele não sabe. Neste filme conhecemos porque Carrey foi (ultimamente não tem aparecido devido a alguns dramas familiares) um dos melhores atores da sua geração. As suas expressões e gestos exagerados são do mais genuíno e impressível para as suas personagens. Carrey consegue oferecer um toque pessoal a cada uma das suas interpretações. O papel de Truman foi dos melhores e mais reconhecidos da sua carreira como ator.

The-Truman-Show-1

O tema desta obra cinematográfica levanta muitas discussões sobre os valores morais e direitos à privacidade. Truman vivia numa verdadeira mentira. Nada era real naquele mundo construído propositadamente para o entretenimento. É como se um dia acordássemos e a vida que vivíamos não era a nossa, não de verdade. “The Truman Show”, realizado por Peter Weir é uma obra cinematográfica que nos faz pensar. Com um argumento bem delineado e personagens bem equilibradas (apesar de nenhum ser genuíno, excepto Truman). O final foi ainda mais surpreendente e imprevisível. Mesmo atrás do desconhecido, Truman conseguiu destingir a sua realidade do mundo em que vivia e único que conhecia. Concluindo este é um filme original, viciante e diferente das típicas obras cinematográficas. O blogue atribui 4 estrelas em 5.

golden_star2golden_star2golden_star2golden_star2

 

O Despertar da Mente

Título: Eternal Sunshine of the Spotless Mind
Ano: 2004
Realização: Michel Gondry
Interpretes: Jim Carrey, Kate Winslet, Tom Wilkinson
Sinopse: Quando a relação de um casal esfria, estes recorrem a um procedimento inovador que possibilita eliminar as memórias um do outro. Mas é no processo da perda que eles descobrem que afinal tinham tudo o que precisavam.

eternal-sunshine-of-the-spotless-mind-3

E se pudéssemos apagar a memória de alguém que conhecemos da nossa mente? Ou modificar uma situação da nossa vida? Claro que todos nós já tivemos momentos menos positivos, mas são essas experiências que fazem aquilo que somos hoje. Em “Despertar da Mente” somos confrontados com essas questões existenciais. Se tivéssemos uma segunda oportunidade, voltaríamos a cometer os mesmos erros? Ou íamos com a corrente e aproveitávamos ao máximo a vida que tínhamos? Joel Barish (Jim Carrey) é um homem solitário que recentemente se separou, vive sozinho na esperança de encontrar algo inesperado na sua vida. Esse brilho de esperança surge de cabelo azul e com muita personalidade. Clementine (Kate Winslet) descobre que também ela se sente sozinha, tal como Joel. Decidem avançar no amor, mesmo com aquela sensação imprevisível e de serem totalmente o oposto. A paixão desgasta-se e o casal sofre. Clementine mais espontânea, aceita o novo procedimento de apagar totalmente a memória de Joel, mas é nesse momento que o casal reaprende a amar.

eternal-sunshine-of-the-spotless-mind-2

A música de Salvador Sobral “Amar pelos dois” seria uma boa escolha para a banda sonora deste filme. A sua essência musical recria o ambiente de perda e encontro de Joel e Clementine. “Eternal Sunshine of the Spotless Mind” é uma surpresa completa do princípio ao fim. Em 2005 conseguiu o Óscar de Melhor Argumento Original. O argumento é dos factores mais positivos desta obra cinematográfica. A história é envolvente e suscita a imediata curiosidade do espectador. A interpretação dos atores também está excelente. Na minha opinião Jim Carrey prova que não é só indicado para a comédia, mas também consegue-se expressar com drama. Já Kate Winslet afirmou que Clementine foi a personagem que mais gostou de interpretar.

Eternal Sunshine of the Spotless Mind” é um filme que temos que ver pelo menos uma vez na vida. A sua mensagem reflecte-se na dor humana que por vezes é difícil de esquecer, mas que pode haver uma solução. No entanto nem sempre o caminho mais fácil é o mais certo e eficaz. O blogue atribui 4 estrelas em 5.

golden_star2golden_star2golden_star2golden_star2