Saltar para o conteúdo

CategoriaCrítica

A minha opinião sobre os filmes que vejo.

Crítica: Never Let Me Go

Baseado no romance homónimo de Kazuo Ishiguro, é uma história sobre o amor, a perda e verdades escondidas. É colocada a questão fundamental: o que nos torna humanos? Kathy (Carey Mulligan), Tommy (Andrew Garfield) e Ruth (Keira Knightley) vivem num mundo e numa época que nos são familiares e desconhecidos ao mesmo tempo. Passam a sua infância num colégio interno inglês aparentemente idílico. Quando abandonam a escola e são confrontados com um destino terrível, têm também de lidar com profundos sentimentos de amor, inveja e traição que ameaçam afastá-los para sempre.

Crítica: Ritmo Perfeito

s musicais de adolescentes estão na moda, desde e série Glee que conseguiu milhares de fãs por todo o mundo, passando por High School Musical e agora com o filme Pitch Perfect. A história centra-se em Becca (Anna Kendrick, conhecida pela sua participação em Twiligth e What Execpt when you are Expecting) uma rapariga cheia de talento que chega à Universidade. Obrigada a lá estar pelo seu pai, Becca não tem uma capacidade muito sociável, apenas ambiciona ser uma DJ de sucesso.

Crítica: Transformers 2 – Retaliação

Passaram dois anos desde que Sam Witwicky (LaBeouf) e os Autobots conseguiram proteger a raça humana da invasão dos Decepticons. Agora Sam prepara-se para outro desafio: sair de casa para ir para o colégio. Com o planeta Cybertron inabitável, também os Autobots começam uma nova vida na Terra, num projecto secreto em que, juntamente com os militares, formam a equipa NEST, cuja missão é procurar os Decepticons que ainda se escondem no planeta

Crítica: Transformers 1

Durante anos os Autobots e os Decepticons, duas raças alienígenas robóticas, duelaram em Cybertron, seu planeta natal. Esta guerra fez com que o planeta fosse destruído, resultando que os robôs se espalhassem pelo universo. Megatron (Hugo Weaving), o líder dos Decepticons, vem à Terra em busca da Allspark, um cubo de Cybertron que possibilita que qualquer aparelho eletrônico seja transformado num robô com inteligência própria.

Crítica: Os Vingadores (Avengers)

assado muito tempo de o filme ser falado para ser realizado, finalmente passou directamente dos quadrinhos para o grande ecrã. O que agradou os fãs da banda desenhada e não só, os amantes de filmes de super-heróis também viram o seu desejo realizado. Tarefa que não foi fácil de concretizar, juntar vários heróis com histórias completamente diferentes num só filme, e por isso ficou o filme tanto tempo em “stand-bye”. Mas agora finalmente passou para as salas do cinema. As personagens já nos são familiares, o grupo Avengers é constituído por: Iron Man – Homem de Ferro (Robert Downey Jr), Hulk (Mark Ruffalo), Capitão América (Chris Evans), Thor

Breaking Dawn 2-blogbeautifuldreams

Crítica: Amanhecer Parte 2

é o último livro da saga Twilight, adpatado do best-seller mundial da escritora Sthefany Meyer. Este filme de 2012 junta novamente todo o elenco dos filmes anteriores, incluindo Kristen Stewart e Robert Pattinson.

Crítica: A Origem dos Guardiões

A história roda em torno de Jack Gelado (Jack Frost), que foi escolhido pela Lua para se tornar no próximo Guardião, juntando – se aos quatro protectores das crianças: Pai Natal, Fada dos Dentes, Coelho da Páscoa e Sandman. Porém Jack gosta de trabalhar sozinho, sempre assim o esteve e não é agora que pensa em mudar. Mas a opinião de Jack pode mudar quando o malvado Pitch ameaça destruir os sonhos das crianças, tornado-os em pesadelos. Para proteger o universo dos mais novos e para descobrir a sua verdadeira identidade, o que estará Jack preparado para fazer?

Crítica: What to Expect When You’re Expecting

Este filme conta a história de cinco casais que nada tem em comum, mas vivem um momento equivalente: a Gravidez! E de como esse facto muda completamente as suas vidas. Ao todo são abordadas cinco histórias individuais que são levemente baseadas nos relatos e conselhos maternais presentes no homónimo best-seller de Heidi Murkoff e Sharon Mazel, um conhecido guia maternal que tenta elucidar os futuros pais sobre os desafios do período de gestação, no entanto, nenhuma das mini-histórias deste filme tem um conceito muito realista ou um sentido verdadeiramente teórico, sendo até bastante fúteis, irrealistas e entediantes.

Crítica: 007 Skyfall

Apesar de no início ninguém dar crédito ao ator, onde vários comentários maliciosos diziam “Um 007 loiro? – onde já se viu?” mas Craig não se deixou ir abaixo e agarrou o tão esperado papel com unhas e dentes. Sorte ou não, conseguiu ter êxito.

Crítica – O Planeta dos Macacos: Origem

A obra original deste franchise começou em 1968 com o primeiro filme do Planeta dos Macacos, e logo se tornou um sucesso. Depois de algumas sequelas não muito bem sucedidas, o lugar de realizador passou para Tim Burton, que em 2001 realizou o filme de ficção científica. O filme também não foi bem sucedido, considerado como um dos piores filmes do realizador. 10 anos após do fiasco surge-nos Planeta dos Macacos a Origem. Neste filme mostra-nos a verdadeira génese dos macacos falantes e como é que estes conseguiram evoluir na história.

Crítica: Homens de Negro III (2012)

A história remete-nos novamente para a estranha profissão dos Agentes K (Tommy Lee Jones) e J (Will Smith) onde são uma agência secreta que “apanha” alienígenas, aqui no Planeta Terra. A terceira película estreou 15 anos após o lançamento do primeiro Men in Balck, mas desta vez com um diferente dinamismo. Agora O Agente J terá de viajar no tempo, ir ao passado para impedir um evento que foi modificado na história, a morte do seu parceiro, o Agente K. Num Universo paralelo vivemos grandes momentos de comédia que Will Smith presenteia com o seu parceiro mais novo.

Crítica: As Serviçais

As Serviçais (The Help) é um filme de 2011 e tem como protagonistas Emma Stone, Viola Davis, Jessica Chastain e Bryce Dallas Howard, o realizador foi Tate Taylor. Este filme demonstra como uma história simples pode se tornar bastante emocionante e “refrescante” necessitamos de mais filmes assim. A sua história é baseada no homónimo bestseller literário de Kathryn Stockett, e leva-nos até à Era dos Direitos Civis nos Estados Unidos da América

Crítica: O meu vizinho Totoro

O meu Vizinho Totoro, é um filme de 1988 criado pelos Estúdios Japoneses Ghibli, a realização foi de Hayao Miyazaki. Apesar de ser japonês originalmente o filme, a Disney pagou pelos direitos da película. Miazaki leva-nos para um mundo mágico onde os sonhos das crianças podem-se tornar realidade.