Saltar para o conteúdo

Crítica: O Lado Selvagem

Título: Into the Wild 
Ano: 2007
Realização: Sean Penn
Interpretes:  Emile Hirsch, Vince Vaughn, Catherine Keener…
Sinopse: Após a sua formatura da Universidade de Emory University, Christopher McCandless abandona todas as suas posses oferecendo um total de $24,000 à caridade e viaja até o Alasca para viver em liberdade em modo selvagem. Ao longo da sua viagem encontra vários amigos que lhe moldam a vida.

Baseado numa fantástica história verídica, seguimos a irreverência de Christopher McCandless um jovem de 23 anos com uma forte ambição. Viver com o que a natureza lhe oferece e fugir da civilização de que foi vítima desde que nasceu. Christopher deseja viajar até ao Alasca sem um tostão e com apenas um bloco e uma caneta para contar a sua experiência. Cansado da vida da cidade e aos que a sociedade nos obriga, cansado das mentiras dos pais para viverem numa vida perfeita, abandona tudo, e deixa a casa ou cresceu, para se dedicar a ser um caminhante sem destino.

Depois de terminar o curso da faculdade, Chris tinha um plano: pertencer à natureza. Neste filme de duas horas e meia, acompanhamos esta longa viagem, tudo o que aprendeu para sobreviver e as pessoas fantásticas que conheceu. Porque estes momentos nunca iria ter se seguisse uma vida normal, com um emprego de fato e gravata. Uma viagem de lobo solitário em encontro com a natureza e tudo que esta tem para oferecer, mesmo com os perigos que acarreta, até ao momento da sua morte, onde referiu que viveu uma vida feliz. Um jovem com ainda muito para oferecer, mas que escolheu o caminho mais difícil, o da aventura. Libertou-se das amarras que o prendiam na sociedade e foi livre. Todas aquelas pessoas que cruzaram o seu caminho, recordam Chris como um jovem simpático com fortes opiniões e com espírito aventureiro. Sem dúvida que marcou a vida de todos.

Ainda recentemente a carrinha abandonada na qual viveu durante uns meses no Alasca foi retirada do local, pois era um convite a muitos turistas que por lá passavam e gostavam de experimentar o trilho de Chris, o que nem sempre corria bem e muitas chamadas de emergência eram feitas para o local. A carrinha fica agora conservada em memória a Chris. Além disso deixou para nós o seu diário de aventuras, publicado juntamente com o consentimento da irmã mais nova.

O jovem Emile Hirsch além das parecenças com o verdadeiro protagonista, consegue dedicar-se inteiramente ao papel. Esta é uma abordagem pessoal e muito expressiva, quase que percebemos o que está a pensar, mesmo sendo muito enigmático. “O Lado Selvagem” é um excelente filme realizado por Sean Penn, com uma fantástica banda sonora, mesmo apropriada e que apesar dos vários momentos solitários do protagonista, não nos sentimos aborrecidos e acompanhamos com curiosidade esta life-time travel. O blogue atribui 4 estrelas em 5.

Rating: 4 out of 5.

beautifuldreams Ver todos

Licenciada em Ciências da Comunicação, adoro escrever e ler. Sou lontra de sofá, amante de filmes e séries televisivas, vejo tudo o que posso. Aprendiz de geek, vivo num mundo de fantasia. Adoro a vida e ainda há tanto para descobrir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: