Saltar para o conteúdo

Crítica: Bleach (2018)

Título: Bleach: Burîchu
Ano: 2018
Realização: Shinsuke Sato
Interpretes:  Sôta Fukushi, Hana Sugisaki, Ryô Yoshizawa…
Sinopse: Uma adolescente japonês consegue ver fantasmas. Mas é a atenção de uma jovem rapariga a lutar contra um monstro que muda a sua perspectiva. Ele torna-se num shinigami com os poderes dela e ela uma jovem normal na sua escola. Ele descobre que a morte da sua mãe foi provocada por estes monstros.

Depois de um anime memorável (podem ler aqui), o live-action finalmente chegou. Com uma produção Netflix, ainda duvidamos destas produções, pois os live-actions dos animes que adoramos, nem sempre correm bem. Neste caso “Bleach” até conseguiu surpreender. Mesmo no curto espaço de filme (1h48m) seguimos de forma resumida e bem delineada o encontro de Ichigo e Rukia, assim como o protagonista recebe os seus poderes de shinigami. O argumento foi dos factores mais positivos e no final ainda deixou em aberto para mais um capítulo. Será que vai acontecer?

Esta longa-metragem conseguiu apresentar-se em equilíbrio com o drama, comédia e ação. Na verdade, os momentos de ação de luta de espadas são os melhores. Nada esteve ao acaso e com coreografias bem planeadas e elaboradas, ficamos “colados” ao ecrã com tamanha energia. Além disso as personagens que conhecemos do anime voltam a ter uma nova vida neste filme. Além dos protagonistas temos a família de Ichigo, os momentos com o pai são engraçados, e com os colegas de escola: Chad, Inoue e Tatsuki. Além disso ainda conhecemos o misterioso Ishida e Urahara. Mas também são apresentados os shinigamis Byakuya e Renji, que na minha opinião foi a pior escolha no elenco.

A narrativa não se alongou muito, mas o que produziram estava excelente. Seja a nível de lutas, efeitos especiais, e argumento. Ficamos com vontade de conhecer mais e espero que não fiquem por aqui. A presença do criador, Tide Kubo é notória, pois as personagens mantém-se na mesma posição do anime. A relação entre Ichigo e Rukia, manteve-se e ainda bem. Na verdade as semelhanças entre estes atores e as suas personagens são demasiadas, por isso destaque para os atores Sôta Fukushi e Hana Sugisaki.

Concluindo foi bom recordar esta história novamente (recentemente recebemos a notícia que o anime vai voltar) e completaram o desafio satisfatoriamente. O blogue atribui 3,5 estrelas em 5.

Rating: 3.5 out of 5.

beautifuldreams Ver todos

Licenciada em Ciências da Comunicação, adoro escrever e ler. Sou lontra de sofá, amante de filmes e séries televisivas, vejo tudo o que posso. Aprendiz de geek, vivo num mundo de fantasia. Adoro a vida e ainda há tanto para descobrir.

One thought on “Crítica: Bleach (2018) Deixe um comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: