Saltar para o conteúdo

Crítica: Flavours of Youth

Título: Si shi qing chun
Ano: 2018
Realização: Haoling Li, Yoshitaka Takeuch 
Interpretes:  George Ackles, Taito Ban, Dorothy Elias-Fahn…
Sinopse: Três histórias diferentes de juventude, que aconteceram em diferentes partes da China.

A beleza nas pequenas coisas

Nesta bela longa-metragem ficamos absorvidos não só com a história humana e real, mas também com a qualidade da animação presente durante mais de uma hora de filme.

Flavours of Youth” surgiu de forma expressiva e singular com três contos diferentes sobre a juventude e as suas repercussões na vida adulta. Afinal quem é que faz ser aquilo que somos? Nós ou os outros?

Olhando para a imagem promotora do filme, pensei que estava perante um filme sobre comida. O rámen bem apresentado com um aspecto saboroso, com massa a fumegar e carne com legumes que acompanham o empratamento. Fiquei com vontade de dar uma dentada naquele prato bem composto e com ar de ser delicioso. A animação de Yoshitaka Takeuch é absolutamente divinal. Depois de já o conhecer em trabalhos como “Your Name“, não podia esperar menos. A realidade das suas animações é tão credível que quase parece realidade. O seu toque estético perfeccionismo está brilhantemente bem conseguido. Takeuch é um génio da animação e os filmes que participa são sempre visualmente bonitos.

Flavours of Youth” reflecte sobre três histórias distintas. Em todas, apenas o país é a única semelhança. A China repartida em três contos sobre os seus habitantes. Histórias contadas do ponto de vista do próprio. A primeira é sobre Xiao Ming e a sua refeição favorita da infância. Uma massa de arroz que todos os dias almoçava juntamente com a avó. Essas são as memórias que o acompanharam até à sua idade adulta. Os sabores da sua infância, reflectem-se bastante nos seus dias.

Na segunda história, acompanhamos os pensamentos de Yi Lin. Uma modelo de moda que vive com a sua irmã mais nova. Apesar de ser bastante requisitada para as paserelles e sessões fotográficas, Yi Lin vive cada dia na incerteza. Com uma idade mais avançada na sua profissão, tem receio de ser ultrapassada por modelos mais novas. Mas as memórias do seu passado são um consolo para os seus momentos mais incertos.

Na terceira e última parte, temos uma história de amor. Li Mo e Xiao Yu duas crianças vizinhas que estudam juntos. Desenvolvem uma relação amorosa por cassetes caseiras gravadas. O destino separou os jovens que foram estudar para locais diferentes. Anos mais tarde Li Mo reencontra uma cassete perdida de Xiao Yu e as lembranças voltam a aparecer. Será que o destino os vai juntar novamente?

“Flavours of Youth” é um filme com uma qualidade estética fantástica, que reflecte sobre as segundas oportunidades e as voltas que a nossa vida pode dar. No final todos estamos juntos, somos todos humanos com os mesmos sentimentos, ambições e preocupações. Mais uma produção fantástica da Netflix. O blogue atribui 3 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.
Netflix Portugal

beautifuldreams Ver todos

Licenciada em Ciências da Comunicação, adoro escrever e ler. Sou lontra de sofá, amante de filmes e séries televisivas, vejo tudo o que posso. Aprendiz de geek, vivo num mundo de fantasia. Adoro a vida e ainda há tanto para descobrir.

One thought on “Crítica: Flavours of Youth Deixe um comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: