Crítica: Hobbit – A Desolação de Smaug

O Hobbit: A Desolação de Smaug (Hobbit: The Desolation of Smaug) é um filme de 2013, realizado por Peter Jackson. E com as principais atuações de Ian McKellen, Martin Freeman, Richard Armitage, entre outros. Sinopse: O Hobbit: A Desolação de Smaug, continua a acompanhar a aventura de Bilbo Baggins na companhia de Gandalf e dos treze anões liderados por Thorin Escudo-de-Carvalho, que procuram retomar a Montanha Solitária e o reino perdido de Erebor. Nesta nova aventura os protagonistas estão mais perto de realizar o seu objectivo final, contudo aquilo que não esperavam acontece: a dragão adormecido, Smaug desperta.

Neste segundo filme da saga Hobbit verificamos a continuação da aventura pela Terra Média. Onde os 13 anões liderados por Thorin, guiados por Gandalf e ajudados por Bilbo continuam a sua história. Na minha opinião este segundo filme tornou-se melhor do que o primeiro. Em Uma Viagem Inesperada é explicação do inicio da aventura, este A Desolação de Smaug é do género do Senhor dos Anéis as Duas torres, um filme de transacção. Mas com mais comédia, ação, aventura e romance do que o primeiro. E também mais mistério e desafio do impossível, porque não é todos os dias que vemos simples e pequenos anões e um hobbit a enfrentar um dragão que se pensava adormecido. Neste filme é também de louvar as cenas de luta, os elfos fazem as suas fantásticas acrobacias com o arco e flecha sem medo de nenhum inimigo, mas os anões não ficam nada atrás.

A realização não podia estar melhor, Peter Jackson conseguiu levar mais outro fantástico filme para a frente. Com paisagens recheadas de efeito especiais que torna mais realístico todo o local. Com sítios e locais que não nos importávamos nada de visitar. Os atores demonstram novamente os seus fantásticos desempenhos, e desta vez, voltamos a ver a cara reconhecida de Orlando Bloom como Legolas, apresentado já nos filmes Senhor dos Anéis, mas também a estrela de Lost Evangeline Lily aparece neste filme como a elfa guerreira Tauriel. Outro fator positivo da película foi os efeitos especiais para realizar o dragão Smaug que na minha experiência cinematográfica nunca vi nenhum com tamanha perfeição. Devo dizer na minha opinião que não falta nada neste filme de fantasia, que vai prender o espectador à cadeira do início até ao fim, e quando acabar vai pedir por mais. O Blog atribui 5 estrelas em 5.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s